sábado, 25 de abril de 2009

Soneto do pássaro


















Amar um passarinho é coisa louca.
Gira livre na longa azul gaiola
que o peito me constringe, enquanto a pouca
liberdade de amar logo se evola.

É amor meação? pecúlio? esmola?
Uma necessidade urgente e rouca
de no amor nos amarmos se desola
em cada beijo que não sai da boca.

O passarinho baixa a nosso alcance,
e na queda submissa um vôo segue,
e prossegue sem asas, pura ausência,
outro romance ocluso no romance.

Por mais que amor transite ou que se negue,
é canto (não é ave) sua essência.

Carlos Drummond de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário